quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Insônia

"Todo prazer é erótico."
- Freud -



A noite, olhos abertos observando sombras no escuro silencioso, fui buscar teu corpo...
ávido, quente...tão acordado quanto eu.
Perdi a noção das horas me desmanchando no prazer dos teus beijos, urgentes e intensos...gulosos como eu.
Ainda tímida e incerta dos teus caminhos, deixo-me levar pela tua gana, que me guia como cobra perigosa...Antecipo prazeres com a respiração que me queima a pele, com as mãos fortes e certeiras que me tiram qualquer possibilidade de fuga. Deixo-me...
Entregue, perdida, confusa e divertida, procuro teus pontos...fortes e fracos. 
Devagar, vou conhecendo o teu prazer e revezando-me em dá-lo e retirá-lo, numa brincadeira de cão e gato, a meu bel prazer. Desafio teu desejo, desacredito vontades anunciadas, gozos prometidos.
Cravo dentes na carne que me prende, num frisson crescente. Existo ali, entre o medo de me perder no momento e a vontade de explorar cada centímetro teu.
Incito teu movimento a encaixar no meu, a me devolver profundezas primitivas, esquecidas, resguardadas....
Hipnotizada pela tua respiração entrecortada, deslizo mãos delicadas e seguras, por braços, coxas, nuca...entre risos de satisfação e gemidos permissivos, nos encontramos envolvidos na cadência ritmada e enlouquecida dos amantes, dos exagerados, dos perdidos...
Até que, com um derradeiro grunhido, você se rende, ofegante e vencido...ao troféu do seu desejo: meu corpo.