domingo, 4 de setembro de 2011

Incandescências


Ah!! Tem um incêndio acontecendo em mim.

Do nada fico sem ar.

Vou voar....pensamento, corpo...

Vôo solo, enquanto a pele queima

A temperatura sobe bastante aqui

E, ao mesmo tempo umideço.

Basta tirar os olhos do que faço

E pronto. Lá vai meu pensamento

Revisitar o passado,

Revisitar teu corpo,

Me desesperar em brasa.

Em brasa...Lembra?

Basta um toque seu, de carinho despretensioso

Pra minha pele se afoguear, se arrepiar...

Basta uma respiração próxima, pra eu me desmanchar no teu abraço

Basta olhar pra tua boca, pra desejá-la em mim...

E nessa viagem sem espaço-tempo, chego a sentir teu toque,

Sinto a pressão dos teus dedos na minha pele,

Fortes, ávidos, competentes...

É...você sabe exatamente o que fazer em mim.

Lembro que achei graça da tua urgência no começo

Hoje, a urgência está aqui,

No corpo que imediatamente acorda, quando dou de sonhar acordada

Com a proximidade de você.

Qualquer hora, vou alcançar o Nirvana,

De tanto que me esforço pra controlar essa sede.

Até o sono, quando me acorda, já me traz a ausência do teu corpo

O encaixe perfeito, de corpos dispostos,

Que descansam na batida do coração do outro,

Que encontram aconchego na pele do outro,

Equilíbrio no peso... segurança...

E que, ao menor sinal de vontade, de maldade gostosa,

Já se aconchegam mais, se entrelaçam mais,

Se encaixam até se misturarem

É esse fogo disposto que anda me tirando a concentração,

Me queimando a pele

Me inundando os sentidos e o sexo.

É quando, entre carinhos e safadezas

Nos encontramos em taras, em carinho, em êxtase.

Minha boca está sedenta do teu corpo

Não vê a hora de te beber num gole só.

Cada centímetro meu

Está pronto pra receber o seu...

Nossa!! Passeia em mim com esse toque pesado e felino

Me sente o gosto até o gozo

Traz pra mim, a fome do teu corpo

Se sacia aqui...Nesse mar incandescente

Que o meu desejo indecente

Insiste em lembrar.

Me beija a boca com o meu gosto na tua língua

Enquanto me invade, mete e remete toda vontade

Toda saudade

Me invade inteiro,

Com doçura ou desespero,

Me possuí como dono que tinha perdido a caça...

Faminto, inebriado,

Me devora, me morde e beija,

A boca, a pele, o seio, o sexo.

Me invade agora...

Enquanto eu me desfaço

E refaço em você

Remete, me enche de gozo

Me dá teu prazer.

Vamos encher esse quarto com cheiro de luxúria e sexo

Esbanjar risos satisfeitos

Me xinga, me ama, me chama

Vem entrar no meu mundo

Seguro e intenso

Vem, meu desejado guerreiro

Se sacia, me sacia

E descansa aqui...

No meu colo, no meu peito.

Grudado, perfeito,

Saciado e orgulhoso.

Dorme meu homem menino,

No corpo da mulher que te inebria.